Arquivo do mês: fevereiro 2009

Quiksilver Pro 09

Os brasileiros da elite mundial, Adriano Mineirinho e Heitor Alves começaram bem a primeira etapa do mundial na Austrália. As baterias sofreram uma alteração e a chave em que ambos brasileiros estavam, foi mudada.

adriano

Adriano Mineirinho                                                                                                           foto: ASP

Na quarta bateria do dia, Mineirinho entrou na água acompanhado do sul-africano Jordy Smith e do aussie Drew Courtney. Com apenas duas ondas, 6.67 e  6.13, o brazuca bateu Jordy Smith que tentou uma reação mas não passou de 5.50 e 6.50.

“Eu já sabia desde o início que seria uma bateria acirrada, inclusive ele (Jordy) começou muito bem na bateria. Vi que o Phil MacDonald na última bateria perdeu precisando de 3.00, então a tática era esperar a onda certa, pegar duas ondas boas para vencer o confronto e foi isso que aconteceu. Coloquei ele (Jordy) na pressão e consegui a vitória. Agora é tentar manter o ritmo nos próximos rounds”, comemora Adriano.

“É muito bom começar o campeonato logo cedo porque está todo mundo ansioso pra começar o campeonato bem. Estou aqui há um mês esperando por esse dia e estou muito feliz por estar com umas pranchas boas, por estar concentrado no campeonato. Ano passado tive um grande ano e espero fazer parecido ou melhor”, diz Mineirinho.

heitor

Heitor Alves                                                                                                                         foto: ASP

Na bateria seguinte, Heitor Alves caiu na água com o aussie Adrian Buchan e o português naturalizado alemão Marlon Lipke. Heitor começou devagar, mas depois de arrancar 7.17 e 6.50 dos juízes, começou a ditar o ritmo da bateria e deixou o aussie na segunda posição e o alemão na terceira.

“Eu e o Mineiro íamos cair juntos no campeonato, mas ainda bem que as baterias mudaram e deu certo, ele venceu a bateria dele e eu a minha. Isso mostra que a gente começou com o pé direito, bem na frente e quem sabe a gente chega mais longe nesse campeonato”, diz Heitor.

Entre 2:30h e 3h da madrugada de hoje(27/02 para 28/02), o último brasileiro a competir pelo primeiro round, Jihad Khodr entra na água contra o aussie Kieren Perrow e David Weare, sul-africano.

Assistam a bateria ao vivo pelo site oficial do evento.

http://www.quiksilverpro.com.au/por/Live.aspx

Não se esqueça, 2:30h/3h da manhã horário local de brasília.

Jihad Khodr sai da água com as notas 6.77 e 5.67, e uma interferência no começo da bateria. Mesmo com o desconto pela interferência, Khodr conseguiu o segundo lugar em uma onda nos últimos minutos. O primeiro lugar ficou com o aussie Kieren Perrow com 6.83 e 6.77 e em terceiro o sul-africano David Weare com 4.67 e 4.67.

Anúncios

Quiksilver Pro 09 Trials

As triagens foram disputadas e quem se deu melhor foi o aussie Corey Ziems.

Ziems venceu seus compatriotas Dale Richards e Shaun Gossman e bateu o brasileiro que defende o Hawaii, Kiron Jabour.

O catarinense Alejo Muniz, único brasileiro nas triagens começou bem mas foi parado na semi-final.

Trials Round 1

Heat # 3
Trials
Round 1

More info …
Heat Scores
Wave/Wave
singlet plc pts name from
Red 3 9.95 Stuart Kennedy AUS
White 2 15.25 Alejo Muniz BRA
Black 1 16.25 Matt Banting AUS

Trials Round 2

Heat # 2
Trials
Round 2

More info …
Heat Scores
Wave/Wave
singlet plc pts name from
Red 2 16.55 Matt Banting AUS
White 1 18.15 Alejo Muniz BRA
Black 3 16.00 Jack Freestone AUS
Blue 4 12.60 Blake Wilson AUS

Trials Semi-Final

Heat # 2
Trials
Semis

More info …
Heat Scores
Wave/Wave
singlet plc pts name from
Red 3 15.80 Alejo Muniz BRA
White 1 16.00 Shaun Gossman AUS
Black 2 15.90 Corey Ziems AUS

Trials Final

Heat # 1
Trials
Final

More info …
Heat Scores
Wave/Wave
singlet plc pts name from
Red 4 13.75 Kiron Jabour HAW
White 2 17.75 Dale Richards AUS
Black 3 17.75 Shaun Gossman AUS
Blue 1 18.20 Corey Ziems AUS

QUIKSILVER PRO 09 @ Snapper Rocks/AUS

logo

Snapper Rocks está em clima de festa e na contagem regressiva, aguardando o ínicio do circuito mundial de surf.
O Quiksilver PRO 09 Snapper Rocks está programado pra começar na manhã do dia 28 de fevereiro(noite de quinta no brasil), com as triagens e vai até o dia 11 de março de 2009.

Nas triagens, o único brasileiro inscrito é Alejo Muniz que foi campeão do ISA Junior de 2008, na França. Alejo estava no Hawaii e em dezembro foi para a Austrália se preparar para o ínicio da temporada.

Os outros participantes brazucas são, Adriano Mineirinho, Jihad Khodr e Heitor Alves.

Round 1 – Heat #4

Adriano de Souza
Heitor Alves
Phillip MacDonald

Round 1 – Heat #16

Tom Whitaker
Gabe Kling
Jihad Khodr

ASSISTA AO VIVO!

Surf na faixa de Gaza

integrantes_clubesurfe

Na página do clube no MySpace (www. myspace.com/gazasurfclub), eles escreveram: “Para nosso pequeno grupo de surfistas em Gaza, as ondas do Mediterrâneo oriental oferecem uma válvula de escape para esquecermos das dores e dificuldades de viver em Gaza e, ao menos por um momento, nos sentirmos livres!”. Em um período em que as pessoas primeiro se esconderam com medo de serem alvejadas e depois se esforçaram para enterrar seus mortos e reconstruir suas casas, essa sensação tornou-se um produto supérfluo.

Fundador da ONG Explore Corps, que ajudou a fundar o Clube de Surf de Gaza, o americano Matt Olsen conheceu de perto a realidade do surf palestino e garante que não existe nada parecido no mundo: “É um surf em estado puro, ainda não corrompido pelo comercialismo. Poucos sabem quem é Kelly Slater, por exemplo. Eles veem Baywatch na TV por satélite por causa das raras cenas de surf. As revistas que eu levei para lá foram tratadas como potes de ouro”, conta.

Olsen se prontifica a explicar a cena do surf palestino. O litoral da Faixa de Gaza é formado por uma longa faixa de areia de 40 km (contra 100 km de Ubatuba). As ondas podem chegar a 8 pés com os fortes ventos no inverno. O fundo é de areia, e o mar nunca conheceu um crowd. Os 30 e poucos surfistas concentram-se principalmente em duas praias: Al Diera, na Cidade de Gaza, e Sheik Khazdien, um pouco ao norte da capital, perto de um campo de refugiados conhecido como Beach Camp. Na primeira, os integrantes do clube se reuniam junto a uma torre de salva-vidas, profissão de alguns dos surfistas locais. Na segunda, em um contêiner abandonado. “O clube representa essa ideia de um surf old school. No resto do mundo, eles saíram de moda. Hoje não há nenhum na Califórnia. Em Gaza, quando não há ondas, os surfistas apenas se reúnem para tomar um chá na praia.”

mapamorte_surf

Diretor do documentário God Went Surfing With the Devil, que está em fase de finalização, o americano Alex Klein complementa a fala de seu amigo Matt: “Os palestinos não conhecem a cultura do surf no resto do mundo, então tiveram de inventar a própria. Não existe a ideia de territorialidade tão comum no esporte. Eles gostam de dividir a mesma onda e de fazer o hi-5 enquanto surfam”, conta o cineasta. “O mar sempre foi um símbolo de liberdade para os palestinos. Eu conheci um oficial do Hamas que me disse que gostava de ir para a praia e olhar para o horizonte quando estava triste ou chateado.” O projeto original do documentário era promover um encontro nas águas do Mediterrâneo entre surfistas israelenses e palestinos. O título foi tirado de uma frase do lendário surfista Doc Paskowitz (personagem principal da reportagem à página 60), judeu americano que cruzou um posto de fronteira na cara e na coragem para entregar pessoalmente as pranchas doadas aos palestinos: “Deus irá surfar com o Diabo se as ondas estiverem boas”.

Mas o projeto não foi concretizado porque os palestinos não tiveram permissão para sair de Gaza, nem os israelenses para entrar. Depois da guerra, o encontro tornou-se uma ideia quase utópica, mas que seus organizadores ainda acreditam ser possível no futuro. “Os surfistas dos dois lados querem muito pegar ondas juntos. É engraçado, porque os israelenses têm uma visão idílica do mar em Gaza, acham que vão encontrar um novo Havaí. E os palestinos pensam justamente o contrário. Eles não percebem que já surfam exatamente no mesmo litoral”, diz Klein.

Criador da ONG Surfing 4 Peace, líder da indústria de surf em Israel e organizador da doação de pranchas para os palestinos, o israelense Arthur Rashkovan afirma, por telefone, de Tel-Aviv, que seu maior sonho é surfar em Gaza, onde ele nunca pisou. “Nós surfistas não queremos matar ninguém, só queremos levar uma vida com aquilo que é essencial. Se eu surfar ao lado de um palestino, acredito que eu irei aprender algo e ele também. E daí poderemos servir de exemplo para nossos governos e fazer a diferença.”

de onde: revista trip

Ink, Not Mink

Campanha realizada pelos ativistas do site PETA2, que lutam pela vida dos animais.
What’s MINK? Click here.

600-careyhartfur-ad

ink_not_mink1
ink_not_mink2

No Peta2, tem vídeos do Carey Hart e do Amy James falando sobre a campanha e sobre os animais.

Clique nas fotos para acessar o site.

Current Swell – Protect Your Own

topbannernew

Novo álbum dos moleques do Current Swell.

Eles colocaram cinco músicas no MySpace e a internet já deu um jeito de espalhar.
Achei alguns links pela internet, mas estão incompletos.

Não vou upar, então faça o seguinte para obtê-las:

entre aqui e faça o seguinte -> http://file2hd.com/Default.aspx?myspacemp3

file2hd1

Coloque o link do Myspace do artista, no caso do Current Swell: http://www.myspace.com/currentswell

Deixe a caixa selecionada e o filter em Audio.. como está na figura e depois clique em GET FILES.
As músicas irão aparecer embaixo, você só clica em cima delas e tchãrãn… elas são suas! hehe

Fácil, coloque a mão na massa e se divirta!

Se não conseguir, deixe comentário explicando sua dificuldade e eu te ajudo.. mas tenho 99,9% de certeza que geral consegue!

Parafina #10

image001

Revista Parafina #10 no AR!

A Parafina entrou em 2009 com uma cara nova, roupas novas e tudo novo.
Confira o novo site, ficou maneirasso! Mande sugestões, críticas, textos, idéias ou simplesmente trocar uma idéia.

Aproveite a nova edição, leia já! É FREE.. clique na foto ou no outro link que está pelo texto!