Quiksilver Pro 2010 – Day 2

Após descanso por conta da ameaça de tsunami, os tops voltaram ao mar para o round 2.

Stephanie Gilmore jogando água pra todo lado

Na parte da manhã, as mulheres fizeram o round 1 e mostraram um surf de muita qualidade e explosão. Stephanie Gilmore e Sally Fitzgibbons mostraram um ótimo surf, manobras variadas e bem fortes, muita água foi jogada. As brasileiras Bruna Schmitz e Silvana Lima cairam na água e não conseguiram o primeiro lugar.

Bruninha entrou primeiro e contra a aussie Stephanie Gilmore e Tyler Wright, não conseguiu se impor e ficou na terceira colocação, indo para a repescagem.

Silvana Lima

Silvana não achou muitas ondas, mas conseguiu um segundo lugar e segue para o round 3.

No masculino, Taj venceu na primeira bateria, Garret Parkes. Garret começou bem a bateria, mas Taj conseguiu se recuperar e virar pra cima do garoto.

Bobby Martinez na terceira bateria, teve uma bateria calma, as ondas tinham sumido e só algumas estavam aparecendo. Com 10 segundos para o final, Bobby ocupava a segunda posição, mas com uma onda de alguns centímetros, virou pra cima de Craig Anderson.

Neco Padaratz e Richie Lovett conversando sobre com quais quilhas surfar

Na quarta bateria, Neco Padaratz tinha páreo duro pela frente, o norte-americano Damien Hobgood. Neco entrou confiante e como na bateria anterior, o mar estava com poucas ondas, mas isso durou poucos minutos. Na sua primeira onda, Neco fez um 5.67, que na minha opinião foi injusto, mal avaliado, foi uma onda boa, com boas rasgadas e um pequeno tubo, valia pelo menos um ponto a mais, mas não foi o que os juízes acharam.

Damien na sua primeira onda, fez um 8.00, que talvez tenha sido super avaliado. Neco em sua entrevista, disse que o norte-americano após pegar a onda, lhe disse que achou que a onda não iria passar dos 7.00 e se surpreendeu com os 8.00.

Neco seguiu forte e na sua próxima onda, literalmente destruiu tudo que tinha na frente. Com rasgadas violentas e bem feitas, ele jogou muita água pra cima, pegou outro tubo e saiu. Todo mundo esperava uma nota 8.00 pelo menos, mas o que veio foi muito menos, apenas um 6.83, super mal avaliado na minha opinião. Pra esquentar o sangue do brasileiro, Damien pegou uma onda logo em seguida e com uma onda parecida com a primeira, fez um 7.87.

Após isso, Neco tentou, tentou e tentou, mas não foi suficiente. Ele ainda fez um 6.90, mas precisava de um 9.67, nota quase impossível pelo julgamento dos juízes. Ainda no mar, Neco após boa seqüência de manobras ou um tubo, olhava para os juízes e dava aquela encarada como dizendo: “E aí, vocês tão vendo o que eu to fazendo? Sobe essa nota.”

Mas de nada adiantou e Damien ainda fez um 8.57 pra selar a vitória.

Em sua entrevista, Neco disse que tentou de tudo pra tirar notas acima de 7.00, mas os juízes não colaboraram.

Outra coisa que observei, foi o critério dos juízes que está bem estranho. Em uma das notas 8 do Damien, eu olhei nota por nota e um juiz tinha dado 6.5, enquanto outro tinha dado 8.2, como pode haver uma diferença tão grande, 1.70 é uma diferença grande de pontuação. Cadê o headjudge pra organizar isso aí?

O brasileiro foi injustiçado, mas o negócio é seguir em frente. Ele estava com uma vontade, parecia até fazer tempo que não surfava, aquela fissura que um tempo longe do surf causa. Mostrou que vai trabalhar forte esse ano e o Brasil quer ver esse guerreiro mostrando toda sua força na água.

Neco é admirado pelo mundo do surf pela sua garra, sua paixão pelo surf. Nas suas palavras se mostrou um grande homem também. Força Neco!

Na bateria seguinte, Dane Reynolds entrou pra combater Blake Thornton e não deu chances ao aussie.

Dane Reynolds

Dane surfou confiante, achou ótimas ondas e com tubos alucinantes e manobras fortes, conseguiu seguir para o próximo round. Dane fez 9.33 e 8.03, enquanto Blake fez 5.33 e 4.90. Foi um verdadeiro show do norte-americano.

Logo depois, Jordy Smith entrou pra dar um show nas ondas de Snapper Rocks. Seu adversário, o brasileiro Marco Polo até tentou, mas não teve muitas chances. Assim como Dane, Jordy achou bons tubos e fez ótimas manobras, achou um 9.93, maior nota do evento até aqui e um 7.93 pra seguir para o próximo round. O brasileiro não passou dos 6.00, fez apenas 5.17 e 5.10.

Neco e Marco caíram, a esperança brasileira agora está nos pés de Mineiro e Jadson André.

Anúncios

Uma resposta para “Quiksilver Pro 2010 – Day 2

  1. Péssimo o julgamento na bateria do Neco. Também achei que ele quebrou nos tubos e nas rasgadas, o próprio Potter comentou mais de uma vez como aquilo é difícil de fazer, mas não quiseram soltar nota. Aí no confronto seguinte logo na primeira onda o Reynolds tirou um tubo e pimba, ganhou o sete e pouco que negaram pro Neco. Pelo jeito a saída do Hatchet não adiantou muita coisa.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s