Arquivo do mês: março 2008

The Tsunami Diaries: O novo filme de Timmy Turner

timmy535.jpg 

Timmy Turner é o diretor do excelente surfvideo Second Thoughts, onde um grupo de surfistas filmam um tipo de reality por um mês na Indonésia, esse é ” The Tsumani Diaries ”

 

Tsunami Diaries é a inspiradora historia de dois amigos que decidem ir a Indonésia, logo depois do tsunami que destruiu a costa em 2004. Quando um prosurfer Timmy Turner e Dustin Humphreys decidem ir novamente, mas desta para ajudar as pessoas do lugar. Timmy reuniu um grupo de amigos com comida , medicinas e um par de cabras para ir ao epicentro do desastre em sumatra do norte. Na viagem se encontrou com alguns personagens como Bill Sharp, Matt George, alguns doutores e com a própria mãe de Timmy, nos quais se unem a viagem e fazem tudo necessário para ajudar as pessoas protagonistas de um dos maiores desastres naturais dos últimos anos. Tsunami Diaries é uma boa historia de dor, coragem e união.

tsunami_diaries.jpg

Fonte: Surfestival 

Peace

 

 

Anúncios

Tool

Tool é uma banda estadunidense de rock progressivo e art-rock, formada em 1990 em Los Angeles. Conheci Tool pelo Mick Fanning, assistindo ao DVD Lightning Strikes que veio na Fluir desse mês, Fanning diz que antes das baterias ouve o CD 10,000 Days . Vou colocar alguns CDs dos caras, não achei todos, mas no soulseek tem TODOS, pois baixei lá. Se alguém quiser me adicionar lá, meu nick é Dubair. Enjoy.

tool_-_opiate-front.jpg

Opiate

DOWNLOAD!

tool-undertow.jpg

Undertow

DOWNLOAD!

tool.jpg

Lateralus

DOWNLOAD!

Compre 

Peace

Pense

blog.jpg

” Pense na vida como uma experiência única. Não pense só no dinheiro, ele é passageiro. Pense em como você pode evoluir, evolua mentalmente, leia, descubra a cada dia novos horizontes e aproveite as coisas simples da vida. ”

Thiago Dorta

Peace

1º Projeto Cine Surf

PROJETO CINE SURF

Em um evento dedicado aos amantes do Longboard e adeptos, será realizado no dia 4 de Abril (sexta-feira), a partir das 21h no Maison 27, Antigo Catavento, Ilha Porchat em São Vicente.

Com o patrocínio exclusivo da Loja Surf Store, todos que comparecerem, alem de receber Revista Alma Surf, vão poder curtir a exibição de Filmes de Surf, entre eles, o clássico Morning of the Earth, Surf Movie com Joel Tudor, entre outros.

Irão desfrutar de 3:30h do Buffet de pizzas Kokimbos, cerveja, refrigerante e água a vontade, apreciarão a exposição do Fotógrafo Fabio Plácido, e do sorteio de brindes e de um LONGBOARD NEW ADVANCE.

Os Convites são limitados e estão a venda até o dia 30 de Março (Domingo).

Local de Venda:

Surf Store – Av. Pedro Lessa, 796 – Aparecida
Casa da Praia – Av. Alm. Saldanha da Gama, 70 – Ponta da Praia

Convite Adulto: R$ 35,00
Convite Infantil: R$ 20,00 (4 a 12 anos)

Realização: PROJETO CINE SURF

Apoio: New Advance, Teccel, Pizzas Kokimbos, Integral Surf Treino.

Patrocínio: LOJA SURFSTORE

 cartaz-1.jpg

Clique para ver o Cartaz.

Final – Rip Curl Pro Bells Beach 2008

Semi-Final

Bobby Martinez  4.50  vs  14.50  Bede Durbdge

Kelly Slater 12.33   vs  7.96  Taj Burrow

 Final

Bede Durbdge 15.16   vs   15.63   Kelly Slater

Nas Semi-finais, Bede Durbdge contando com a sorte e o bom surf que vem apresentando nessa etapa do WCT, conseguiu uma vitória importante sobre Bobby Martinez e foi para a final disputar com Kelly Slater o primeiro posto no pódio.

Kelly Slater também teve sorte contra Taj Burrow, que não teve muitas ondas boas na série e no final ainda chegou a ficar puto e dar uma porrada no mar.

A final ainda tá rolando, faltando 10 minutos para o final, Slater acaba de encostar em Durbdge que começou bem tirando um 8.83 contra um 7.33 de Slater. Durbdge mandou um 6.33 e Slater depois de uns minutos mandou um 7.23, encostando no adversário aussie. Nesse momento a diferença é de 0.60 . Os dois surfistas estão mandando bem, Durbdge pegou ótimas ondas e vem melhor, mas Slater é imprevisível. Eu disse, o malandro não deixou eu nem acabar de escrever e já tava dropando outra, mandou um air e recebeu um 8.30, agitando a galera toda. Faltando dois minutos para o fim, tudo pode mudar. Durbdge está a deriva, sem ondas. A diferença é de 0.47, Slater na frente. 0,45 segundos para o final, nada de ondas, 0,30 segundos.. 0,20 segundos.. 0,15 segundos.. Durbdge dropou uma e acabou. Os 3.17 que recebeu pela onda, não foram suficientes pra tirar o sino das mãos de Slater.

KELLY SLATER – CAMPEÃO DE 2008 RIP CURL PRO

slater.jpg

PS: Não consegui achar nada falando ao certo do Expression Session que rolou antes da final do Rip Curl Pro, mas o brazuca Miguel Pupo foi que ganhou. Brasil com força lá fora!

 Peace

Iradoo – WCT

Algumas horas atrás tive uma experiência nova, haha, não tão nova, mas sim, foi diferente! Quem nunca ouviu um jogo de futebol no rádio? Ouvindo alucinado, ouvindo a torcida, se imaginando no campo.. claro que pelo menos 90% da população já fez isso. Pois é, hoje fiz o mesmo, mas em outro cenário esportivo, o Surf. Quartas de final rolando em Bells e eu louco pra ver, afinal Kelly Slater vs Andy Irons, batalha dos grandes e ainda Bobby vs Fanning, torcendo pro aussie, tive que dar um jeitinho. Como a minha internet não ajuda muito, haha, bem lerdinha, tive que ligar o microfone no MSN com meu primo e pedir pra ele colocar na pagina da Rip Curl, onde rola ao vivo as baterias, e deixar rolando.. apesar de não ver as ondas, pude ouvir algo.. me senti meio perdido, mas entusiasmado, foi massaa! Fanning perdeu, e Slater esmagou o Irons. Tanto Fanning, como Irons, não tiveram sorte e vieram poucas ondas, marolas pra eles..

Nunca fui fã de campeonato, sempre achei que perde a alma do negócio, mas é bom também uma competição.. to entusiasmado com a idéia agora.. To só esperando começarem as Semi-finais.

Bobby Martinez(azul)     vs    Bede Durbdge(vermelho)

Kelly Slater        vs       Taj Burrow

 Fiquem aí, se é que tem alguém aí.. ahhaha! ( ondas tão melhorando )

SURF – História, Canecos e Intrigas

Reinaldo Andraus, o Dragão, experiente jornalista de surf, com várias viagens e temporadas hawaianas na cabeça, ministrou a 3º aula do curso, SURF – Administração, Marketing e Gestão de Negócios que está sendo realizado na USP com a organização do Ibrasurf. Dragão que está diretamente ligado ao surf, desde sua adolescência quando começou a surfar e tanto agora como jornalista. Na aula, procurou mostrar a experiência vasta que tem e nos contou a história do surf no mundo.

Desde as antigas pranchas de madeira, feitas artesanalmente pelos surfistas e com seus pesos e tamanhos monstruosos, vai até chegar aos foguetes atualmente. O Surf foi introduzido vagarosamente pelo mundo, pois nos tempos antigos, os que surfavam em pé eram só os reis e os trabalhadores apenas podiam pegar onda de joelhos. Com o tempo essa visão foi saindo de padrão e muitos surfistas surgiram, nomes como Duke Kahanamoku, Eddie Aikau e mais pra frente, Peter Townend (PT), Michael Tomson, Ian Cairns, Shaun Tomson, Rabbit Bartholomew, Mark Richards (MR). Na época desses seis últimos caras citados, o Hawaii já tinha se tornado a Meca do Surf e todo mundo queria estar lá, Australianos, Brasileiros, Japoneses, Europeus, Africanos, o mundo todo queria estar participando desse novo negócio que estava surgindo e chamando a atenção de muita gente. O Hawaii simplesmente lotou, um crowd jamais visto, nesse movimento surgiram os grupos de surfistas locais, que com o crowd violento e os haoles que não respeitavam, deram um chega pra lá em tudo. Começaram a quebrar a cara dos haoles que não respeitavam e por aí foi, se criando um respeito e até hoje existem ainda esses grupos, o Wolfpak é um desses grupos que comandado por Kala Alexander bota moral e respeito no North Shore. Dragão falava do Hawaii como se fosse sua própria casa, falando da região, das grandes ondas hawaianas e californianas, Pipeline, Waimea Bay, Sunset Beach, Mavericks, Jaws e tantas outras. A intonação na voz dele, ditava um ritmo agradável a aula e a certeza de que realmente tudo o que ele falava, era o que é.

Com a evolução dos anos, vieram pranchas novas, leves, com matérias diferentes da madeira usada antigamente, quilhas para um surf com mais movimento, mais solto e novos tamanhos e estilos. Com o tempo também foi surgindo o Surfwear, o grande mercado de roupas que hoje em dia é tão valorizado e usado por surfistas e não-surfistas.

Dragão deixou para o final para falar sobre o surf no Brasil, a demora que levou para o surf crescer, o preconceito que os surfistas sofriam no começo, eram tachados como vagabundos, pelo estilo largado de ser. O Surf no Brasil começou a explodir e mostrar atletas de conteúdo quando Fabio Gouveia surgiu desbancando os grandes surfistas do mundo, muitos começaram a surfar vendo Gouveia como um ícone a ser seguido. Um tema discutido durante e depois da aula, foi o fato de nenhum brasileiro estar completamente qualificado para ganhar um título mundial. Alguns falaram da falta de incentivo da Federação Paulista de Surf com as Associações de Surf do litoral paulista, que sem verbas e incentivos não conseguem fazer campeonatos bons, com um nível bom, para que as gerações novas consigam trabalhar bem o surf, treinar bem para um dia vir a se tornar um campeão mundial. Nomes como, Adriano Mineirinho, Neco Padaratz e Pablo Paulino estavam na cabeça da galera, Adriano Mineirinho é um ótimo candidato, ele ainda é novo, tem que aprender bastante ainda e se especializar nas ondas do Dream Tour, assim como todos os outros. Mineirinho ontem a noite, perdeu o Round 4 do Rip Curl Pro Bells, etapa do WCT realizada em Bells Beach na Autrália, para o atual campeão Mick Fanning. Neco Padaratz foi outro que também caiu no Round 4, para outro Australiano, Joel Parkinson. Neco é o mais velho dessa galera, tem uma linha boa de surf e tem muita raça, mas acho que falta o foco, a concentração total dele para tentar buscar um título. Pablo Paulino é o nome que vem surgindo na cabeça de todos, Bi-campeão do Billabong World Junior. Paulino ainda igualou o único com dois títulos também, o aussie Joel Parkinson. Agora é ficar na espera, esperar que Paulino plante bons frutos para colher lá na frente, muito treino, muito foco e vamos no caminho certo.

Como o próprio Dragão disse na edição de Março da Revista ALMA SURF, os fatores principais que um atleta precisa ter para se tornar um campeão: talento – estrela – competência – sorte – insanidade sob controle – inteligência.

Agradecimentos ao Dragão pela experiência passada e sucesso, mais ainda, na carreira.

Peace

Escrito por: Thiago Dorta